18 outubro, 2010

A Chuva

Atenção! Leia esse poema ouvindo ► http://www.rainymood.com/ A chuva derrubou as pontes. A chuva transbordou os rios. A chuva molhou os transeuntes. A chuva encharcou as praças. A chuva enferrujou as máquinas. A chuva enfureceu as marés. A chuva e seu cheiro de terra. A chuva com sua cabeleira. A chuva esburacou as pedras. A chuva alagou a favela. A chuva de canivetes. A chuva enxugou a sede. A chuva anoiteceu de tarde. A chuva e seu brilho prateado. A chuva de retas paralelas sobre a terra curva. A chuva destroçou os guarda-chuvas. A chuva durou muitos dias. A chuva apagou o incêndio. A chuva caiu. A chuva derramou-se. A chuva murmurou meu nome. A chuva ligou o pára-brisa. A chuva acendeu os faróis. A chuva tocou a sirene. A chuva com a sua crina. A chuva encheu a piscina. A chuva com as gotas grossas. A chuva de pingos pretos. A chuva açoitando as plantas. A chuva senhora da lama. A chuva sem pena. A chuva apenas. A chuva empenou os móveis. A chuva amarelou os livros. A chuva corroeu as cercas. A chuva e seu baque seco. A chuva e seu ruído de vidro. A chuva inchou o brejo. A chuva pingou pelo teto. A chuva multiplicando insetos. A chuva sobre os varais. A chuva derrubando raios. A chuva acabou a luz. A chuva molhou os cigarros. A chuva mijou no telhado. A chuva regou o gramado. A chuva arrepiou os poros. A chuva fez muitas poças. A chuva secou ao sol. Poema de Arnaldo Antunes Falling Objects

16 outubro, 2010

O Retrato de Oscar Wilde

No dia 16 de outubro de 1954 um confrontista da época nascia. Olho suas fotos em preto e branco e fico imaginando como seria viver naquela época tão diferente desta. Como seria uma conversa informal com Oscar Wilde? Como seria... Seria ele um provocador estilo Lord Harry? Sutíl e sagaz como o próprio Dorian Gray? Ou apenas um hedonista intenso amante da vida. Provocava evidentemente uma onda de antipatias, críticas e revoltas a sua volta, mas a onda quebrava na praia e as águas voltavam aos seus limites. O preto e branco das fotografias escondem as cores berrantes que usava em sua extranhíssima maneira de se vestir: casaco de veludo, calções largos, colarinho baixo, gravatas extravagantes e dizem sempre trazer a mão ou lapela um girassol ou um lírio. Criou assim o seu próprio cenário de sua vida: " Só há uma coisa no mundo pior do que ser discutido é não ser discutido." E Wilde foi muito discutido, a sua vida não foi só flores e hedonismos, a sombra da maldade perceguiu Wilde de maneira cruel em uma verdadeira tragédia grega o transformando em Sebastian Melmoth. Viveu intensamente, amou mais ainda, foi ele mesmo o tempo todo. Sir Oscar Wilde... nem ele com todo o seu conhecimento imaginaria que seu nome seria extendido a um futuro tão distante de sua realidade. Pretenção de minha parte ou apenas curiosidade querer saber o que ele estava pensando no momento dessa fotografia? É Wilde você tinha razão quando dizia que fotografias capturavam a alma, as aprisionava, as roubava, talvez seja verdade pois seu retrato parece tão vivo, até consigo vê-lo mexendo em seus cabelos e sorrindo ao conversar com o fotografo... ah deixa pra lá, ou melhor deixe-me aqui a apenas admirar o seu retrato, O Retrato de Oscar Wilde.

15 outubro, 2010

O mundo nos faz acreditar em cada coisa!

Fizeram a gente acreditar que cada um de nós
é a metade de uma laranja e que a vida só ganha sentido
quando encontramos a outra metade.
Não contaram que já nascemos inteiros,
que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a
responsábilidade de completar o que nos falta.
Nós crescemos através de nós mesmos
e se estivermos em boa companhia é só mais agradável.
John Lennon