25 novembro, 2010

Santíssima Trindade

Céu, Sol e Mar... O Vilarejo de Trindade encontra-se meio a Mata Atlântica, por entre serras preservadas pelo Parque Nacional Serra da Bocaina. Você pode aventurar-se num ônibus municipal saindo da rodoviária de Paraty pegando a estrada "Deus me Livre" nos anos 70/80 hippies, malucos beleza, trilheiros e mochileiros subiam na caminhada, nessa época nem sonhavam com tanto progresso em Trindade. Hoje o ônibus lhe deixa dentro de Trindade no vilarejo que tem apenas uma rua central onde você irá encontrar pousadas, quartos e campings, não espere por nada luxuoso pois a riquesa de Trindade está em toda sua beleza natural. Contam os caiçaras nativos de Trindade que na época da Colonização Portuguesa 1.700/1800 piratas ancôravam seus navios e do alto da Cabeça do Índio uma gigantesca pedra na ponta da última praia de Trindade, de lá eles avistavam as caravelas portuguesas que saiam de Paraty, os atacavam, os saqueavam e muito do ouro dos portugueses ficaram perdidos nas cachoeiras, serras e até mesmo cavernas. Hoje barqueiros atravessam os turistas de uma praia a outra. Eu particularmente prefiro as trilhas a caminho da piscina natural, Cabeça do Índio e cachoeiras. Trindade é pequena e é tudo muito perto. Vale a pena conhecer a casa do Gusmão (totalmente ecológica) no pé da serra da Praia do Cepilho, aproveita e dá uma uma olhada se tá dando onda por que é nessa praia que rola o surf da molecada. Se você gosta de agitação no natal, ano novo ou carnaval, você vai estar no lugar certo. Nessa época do ano Trindade lota, mas lota muito mesmo a ponto de ter trânsito de pessoas. Trindade é pequena e não tem infra-estrutura suficiente para dar conta, saneamento básico não tem então já dá para imaginar aonde vai parar toda a merda do povo né? No rio, no mar... Ponto negativo. São 5 mil pessoas na época de temporada em um vilarejo que só tem uma rua central, de resto é só estradinhas e trilhas. Já no mês de março já está tudo mais aliviado, tranguilo. Dá para curtir numa boa as praias, sem filas nos chuveiros e banheiros dos campings. E não esqueça de ir munido de dim dim se for ficar uns dias por lá. É tudo muito caro. Uma dica é fazer uma comprinha antes em Paraty. Agora se preferir comer nos restaurantes o PF em todos váriam a 10 reais. Agora se você é o cara e tem pra gastar pratos sofisticados também rolam daí é a critério do cliente! A vila é simples, os moradores são simples, mas eles tem algo que as pessoas das grandes cidades não tem e nunca terão: qualidade de vida. Porém o dinheiro mudou a vida daquelas pessoas, assim como ele faz em qualquer lugar onde chega. O problema é que o progresso trás consigo vários fatores destrutivos para com a Natureza, o real motivo do Turismo em Trindade. Trindade degradada não tem graça. Tem que preservar a Natureza daquele lugar. E eu noto ali poucas pessoas empenhadas verdadeiramente quanto a isso. O importante é que esses poucos estão fazendo a parte deles e cada um fazendo a sua Trindade será linda para sempre. Responsábilidade inclusive do Turista que com pequenas atitudes notáveis e significativas como por exemplo jogar seu lixo no lixo já contribui bastante! É fácil, simples e não dói. As cachoeiras levam nomes engraçados como a Pedra que Engole e engole mesmo igual ao clip do Pearl jam: Oceans ! http://migre.me/2uW0C Quanto as praias para quem chega a primeira é a praia Brava só tem acesso por uma trilha na beira da pista, mas tem que ver direitinho com quem conhece pois não tem nada indicando. Praia do Perigo essa sem chance para banhistas ela é perigosa mesmo, é pequena e guase não tem areia. Praia do Cepilho aonde rola o surf, tem o labirinto de pedras com mais de 3 metros de altura. Praia do Rancho aonde vielas de Ibíscos cortam caminho para a vila, essa praia tem os décks, um deles é o 100 sono no meio do mundo, nele você viaja com a colagem do Rogério nas paredes do bar, ouve um rockn'roll e prova da fomosa Gabriela. Dali mesmo você pode ver pescadores chegando do Mar com suas redes. Se pegar uma trilha adiante, tem a prainha das conchas. Praia do Meio com os barqueiros atravessando os turistas, mas muitos preferem atravessar para as outras praias pelo Costão dá um pouco de medo no começo mas depois acustuma, ou pela trilha e assim chegar na Praia do Caixadaço para quem curti camping selvagem lá a noite é um breu! Seguindo pegue outra trilha para a Piscina Natural ao fim dela vai encontrar pedras enormes que represam as ondas formando uma piscina natural mesmo. E se você for mais apetitoso vá até a Cabeça do Índio, mas se prepare porque é radical mas vale a pena, a vista lá de cima é linda, irá ver toda a Trindade, longe, de ponta a ponta. Então sente-se para descansar, apenas respire e admire essa Santíssima Trindade! Céu, Sol e Mar...

Wings



Quando eu morri podaram minhas asas.
"...e o Céu virou um fraguimento do inferno em que eu tive de entrar."
Como uma linha tênue o Céu me coloca diante de "tudo o que eu ainda não entendi."
Separando as minhas interrogações das afirmações, fazendo reinar agonizantemente os por quês.
E já que as respostas não me vêem, não me enxergam, me defino como Clarice Lispector e Cecilia Meireles...

"Minha força está na Solidão.
Não tenho medo nem de chuvas tempestivas,
nem de ventanias soltas,
pois eu também sou o escuro da noite."

"Aprendi com a primavera a deixar-me cortar e voltar sempre inteira."

22 novembro, 2010

Dia do músico


Quem faz música faz mágica, quando um cara compõe uma letra e faz o arranjo ele está preparando uma droga para alguém usar. A música entra pelos ouvidos e faz a sua cabeça, daí a viagem depende de cada um, e do que você gosta de escutar. O som da bateria, baixo e guitarra e um bom vocal te transporta para onde quizer, vai da tua imaginação. Eu amo música e não saberia viver sem, é minha válvula de escape nesse mundo louco. É o que me salva e me acompanha em todos esses séculos da minha existência. No dia internacional do rock escrevi umas brisas no My Space e acho que tem a ver com o assunto: "Bateria, baixo e guitarra quando bem utilizados podem fazer um som do caralho, só quem já viu um show de rock ao vivo sabe bem do que estou falando... Como é bom amadurecer e olhar com entendimento que tudo na vida realmente passa ou quase tudo. E o que passa nos deixa sempre um aprendizado bom ou mal deixa. O Universo se encarrega de tudo, aprender com os erros, com as vitórias, com os enganos, incertezas, alegrias, amigos, inimigos, dores, prazeres ou seja aprender com a vida. Ela nos ensina e cabe a cada um no seu particular entender o verdadeiro significado de tudo. Entender que nem sempre vamos saber da verdade mas que vale a pena criar nossas próprias teorias. E quando isso acontece, todos os medos se desfazem e monta-se o quebra cabeça, as peças vão se encaixando uma a uma tudo a seu tempo, as vezes lento, outrora rápido demais. Olhar com outra forma de pensar o que antes acreditava ser o certo, respeitando sempre o Criador do Universo, a Força invisível ou até mesmo o Infinito Poder que nos proporciona inclusive o livre arbítrio de acreditar no que quizer. E já que na Natureza nada se cria tudo se transforma, pode ser que todo esse meu pensamento mude, pois faço parte da Natureza e também como ela estou em um estado constante de transformação, e como já dizia Nietzsche "tudo o que não me mata me fortifica" o aprender é minha munição. Não sou eu que faço o meu destino, ele é o segundo que faz a diferença em minha vida, no qual posso até perde-la. Forças controlam meus passos, brincam com o meu caminho, meu destino, meu futuro. Quando essa "força" não quer que seja, por algum motivo, causa, razão ou circunstância que desconheço não adianta lutar, ela tira de mim as pessoas, os lugares, os momentos, mudando o rumo de tudo, as vezes da pior maneira sem ao menos parecer se importar com o tal de sofrimento que passa e fica lá escondido nas lembranças de um passado. Eu sou uma marionete "e que bela marionete" querendo saber: Quem está mexendo os pausinhos? Os deuses jogam os dados e o Universo dá as cartas tudo num processo lento e inteligente como um jogo de xadrez, e eles jogam ao som de The Doors, Led Zeppelin, Pink Floid, Raul Seixas, Janis Joplin... E depois de tentar entender tudo e não compreender nada descobri quem sempre esteve comigo e fez parte da minha vida nesse percurso todo até aqui, foi o som que os deuses ouvem lá em cima, a trilha sonora da minha vida é o som que os deuses ouvem enquanto jogam. O som do bom e velho Rockn'Roll!!!"
O cantor e compositor Johnny Cash representa a qualidade de uma boa música em sua composição Rusty Cage. Aonde ele diz: "Eu vou quebrar, eu vou quebrar a minha jaula enferrujada e fugir..."

19 novembro, 2010

Reach

Me apaixonei por esse curta. Não há muito o que falar,
existem imagens que a interpretação vai de cada um mesmo.