25 novembro, 2010

Wings



Quando eu morri podaram minhas asas.
"...e o Céu virou um fraguimento do inferno em que eu tive de entrar."
Como uma linha tênue o Céu me coloca diante de "tudo o que eu ainda não entendi."
Separando as minhas interrogações das afirmações, fazendo reinar agonizantemente os por quês.
E já que as respostas não me vêem, não me enxergam, me defino como Clarice Lispector e Cecilia Meireles...

"Minha força está na Solidão.
Não tenho medo nem de chuvas tempestivas,
nem de ventanias soltas,
pois eu também sou o escuro da noite."

"Aprendi com a primavera a deixar-me cortar e voltar sempre inteira."

Nenhum comentário:

Postar um comentário