01 março, 2011

✎Com passos e com pedaladas

Queria que fosse verdade a filosofia Budista na qual eles crêem que tudo a nossa volta não passa de uma grande ilusão de óptica. Seria bom ter toda essa violência brutal que está encarnada no ser humano como apenas ilusão. O negócio está feio, o ser humano está cada vez mais #fail, mas ainda bem que é apenas uma parcela e não uma geral, menos mal. Mas mesmo assim tenho medo porque não sei até aonde vai, até que ponto podemos confiar nas pessoas, que pena! Muitos se justificam em cima do estresse, depressão, neuroses e agora a nova moda; o transtorno bipolar, que no ver da minha vó, sábia mulher de 93 anos, "esse tal de transtorno bipolar nada mais é do que um jeito chic de dizer que está doido." O problema é que tudo isso está dosado de uma índole propensa a maldade. As coisas parecem estar fora de lugar, de controle, está tudo errado, tem alguma coisa de errado no mundo há tempos, tempos do tipo desde que o mundo é mundo. Final dos tempos? Mas Caim matou Abel lá no começo dos tempos. O diabo é o culpado! Não seria ele um bode expiatório? É o Karma de cada um. Inclusive do planeta, ser destruido? O egocentrismo do capitalismo. E se o mundo fosse uma feira do rolo... Falta de Deus! Mas e os padres pedófilos estão com falta de quê? Sem vergonhice. Mas o cara mais tímido do grupo, virou homem bomba. Quando a guerra não é religiosa ou política, ela é cívil nas extatísticas dos B.Os das grandes e pequenas cidades. Eu ainda acredito é que a culpa está no progresso sem ordem. A maneira como construiram cidades, cimento, asfalto, fumaça, barulho, trânsito... isso não é natural. E vejo o ser humano tampando o Sol com a peneira usando de sua racionalidade para esquecer que não passa de um animal. E lutar contra sua própria Natureza pode haver reações adversas. Ou como disse Clarice Lispector apenas o fato de "ter nascido me extragou a saúde".
Mas como eu já estou por aqui vou mantendo a minha sanidade na beleza de uma flor, no cheiro da terra molhada, nas fases da Lua, em uma caminhada em trilhas verdes e frescas, em um passeio de bicicleta, em coisas que preencham a falta de uma história humana de ordem e progresso lado a lado com a Natureza. As coisas bem que poderiam ter sido diferentes.